Live | "Diagnóstico e prognóstico no TEA"

card FEED AUTISMO.png

Em alusão ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo, o Conselho Regional de Psicologia de Sergipe, promove live nesta sexta-feira, 02 de abril, 19h, no instagram @crpsergipe.  

Estará em debate o tema "Diagnóstico e prognóstico no TEA", com as psicólogas  Camylle Christiane Azevedo Santos (CRP 19/2827), Ísis Gomes Vasconcelos (CRP 19/2613) e o psicólogo Thiago Cavalcante Lima (CRP 19/2466).

Autismo

O termo autismo origina-se da terminologia grega autós, cujo significado é de si mesmo. Sua primeira definição ocorreu no ano de 1943, quando o médico austríaco Leo Kanner, sistematizou com cautela a observação de um grupo de crianças com idades de 2 a 8 anos, onde o mesmo denominou o transtorno de distúrbio autístico de contato afetivo, e que apesar do autismo já ter sido inserido na psiquiatria por Plouller, como um fator descritivo do isolamento, a descrição feita por Kanner de algumas anormalidades permitiu estabelecer a diferença entre o autismo de outras anormalidades como a esquizofrenia e psicoses infantis (Brasil, 2014).

No fim de 2007, a ONU (Organização das Nações Unidas) definiu todo 2 de abril como sendo o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, quando cartões-postais de todo o planeta se iluminam de azul — no Brasil, o mais famoso é o Cristo Redentor — para lembrar a data e chamar a atenção da mídia e da sociedade para o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O objetivo foi atrair as atenções para essa condição, que afeta de 70 milhões no mundo inteiro, a fim de reduzir o preconceito e promover diálogos quanto a construção de políticas públicas.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento, que é definido a partir de avaliações comportamentais, caracterizado por déficits na comunicação social, na interação, na sensibilidade sensorial, coordenação motora e níveis de atenção, com a presença de complicações no que diz respeito ao empenho e a realização de atividades. Em geral, os quadros de TEA variam em severidade e intensidade em suas diferentes características (Varanda & Fernandes, 2011).

Diante da complexidade dos marcos teóricos que ajudam a compreender o tema e a diversidade nas propostas de intervenção, é válido frisar a relevância da atuação de psicólogas e psicólogos em âmbito clínico, social, escolar, da assistência social, entre outros contextos, a fim de promover o desenvolvimento das pessoas com Transtorno do Espectro Autista, assim como dos seus familiares.

 

 

 

 

 

Redes Sociais

Ao continuar navegando, você concorda com as condições de Política de Privacidade. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de Privacidade.